Como se fabrica bola de gude

Autor: 
Cíntia Costa

A bola de gude tradicional é feita a partir de sucata de vidro (restos de lâmpada, garrafas, janelas e embalagens, por exemplo), que é lavada e triturada. Esse material é derretido a uma temperatura de cerca de 1.200 ºC e despejado em pequenas quantidades (gotas) em canos cortados no meio pelo comprimento.

Os canos sofrem vibrações, e o vidro derretido escorre para cima e para baixo tomando o formato esférico à medida que a massa esfria. Os modelos com detalhes internos (os “olhos de gato”) são feitos adicionando uma gota pequena de vidro colorido dentro das gotas de vidro derretido.

Bolinhas de gude produzidas pela Embalados
Imagem cedida pela Embalados
Bolas de gude da Embalados, uma das poucas fábricas existentes no Brasil

O método quase não mudou com o passar dos anos: a principal diferença é que, antigamente, os fabricantes usavam bambus em vez de canos para escorrer o vidro, segundo a fabricante de bolinhas Embalado.

Um levantamento do "Jornal do Comércio" mostrou que são produzidas mensalmente no Brasil 12 milhões de bolinhas de gude, vendidas pelas fábricas por aproximadamente 1 centavo (R$ 0,01) a unidade (ou R$ 3 pelo pacote com 300 bolinhas).

Além dos bolsos da criançada, os outros principais destinos das bolas de gude são as latas de tinta em spray (para ajudar a agitar o conteúdo do recipiente e garantir a mistura da tinta com o gás) e objetos de decoração artesanais (balcões, luminárias, arranjos de mesa...).

Curiosidade: o mercado de bolinhas de gude é sazonal, ou seja, tem variações periódicas de vendas. A procura pelo produto é muito maior durante os períodos de férias escolares (julho e o bimestre janeiro e dezembro), segundo Gerson Santos, proprietário da fabricante Tokboll. Durante esses períodos, ele estima que sua fábrica venda algo em torno de 9 milhões de bolinhas.