Suas responsabilidades e a criação de vínculo com o seu bebê

Autor: 
Michael Meyerhoff, Ed.D.

Talvez a parte mais difícil de cuidar de um recém-nascido é ter que estar constantemente disponível, 24 horas por dia, 168 horas por semana, sem nenhum descanso. Nenhuma outra ocupação requer tanta dedicação quanto a maternidade e paternidade.

Os bebês não comem, dormem ou choram com hora marcada. Seu bebê pede por comida ou conforto em qualquer e toda hora do dia ou da noite, esteja você dormindo, doente ou ocupado com um projeto de importância máxima. Resumindo, você precisa ajustar o seu estilo de vida para acomodar a total dependência do seu bebê. Esta mudança no foco da sua vida pode ser traumático inicialmente, especialmente se você é o tipo de pessoa particularmente independente e descompromissada. Nesta seção, falaremos sobre as responsabilidades com o seu bebê e da importância do vínculo com ele.

Suprindo as necessidades básicas

As responsabilidades primárias dos pais são fornecer alimentação, roupas e abrigo a seus filhos: os requisitos básicos da vida humana. Em princípio, todos os pais (com exceção dos afligidos pela miséria) podem arcar com estas responsabilidades sem problema algum porque estas são exigências que eles já cumprem consigo mesmos. São os detalhes diários do cumprimento destas exigências que podem fazer você se sentir inseguro e pouco confiante quanto aos cuidados com o seu bebê. Você pode sentir, como alguns pais sentem, que os cursos preparatórios para o parto que você fez a preparam muito bem, de fato, para produzir um bebê e que você não teve uma preparação adequada para cuidar de seu filho. As perguntas tão importantes: o quê, como, quando, quantas vezes e por quê não foram respondidas de maneira satisfatória.

De fato, elas não têm respostas satisfatórias porque cada bebê (e cada casal de pais) é único. Uma família é diferente da outra e cada indivíduo da família é diferente de todos os outros. Você tentará e talvez descartará algumas rotinas e procedimentos antes de se sentir à vontade para realizar até mesmo a mais comum de suas responsabilidades com o seu filho. Você pode estar se perguntado se o método de tentativa e erro no domínio de uma habilidade é uma abordagem adequada para o sério trabalho de criação de um ser humano.

Na busca por conhecimento sobre como cuidar de seus bebês, muitos pais podem se sentir intimidados pelos chamados "especialistas", que podem incluir os avós do bebê, tios e tias e vizinhos próximos, assim como médicos e psicólogos, e podem acabar aceitando como verdade qualquer pequeno conselho dado a eles, seja porque parece certo para eles ou porque a experiência de quem aconselha comprova isso.

É claro, às vezes, nada substitui as instruções profissionais e o conselho de especialistas em medicina, nutrição e psicologia infantil. Mas é importante para você, como mãe novata, aprender a confiar em você mesma. Lembre-se de que não há uma maneira certa de realizar a maioria das tarefas envolvidas no cuidado infantil. Você pode ler, assistir a aulas, questionar seu médico, ouvir seus amigos e parentes, mas no final, é você quem deve tomar as decisões sobre o que é melhor para o seu filho. Porque você conhece esta criança melhor do que qualquer outra pessoa no mundo, então suas chances de tomar as melhores decisões são maiores que a de outros.

Ao tomar estas decisões, lembre-se de "curtir" o seu bebê enquanto aprende a cuidar dele. Tente encarar a maternidade como uma série de problemas a serem superados ou, usando a linguagem positiva dos profissionais de relações públicas, como desafios a serem cumpridos. Pelo menos por alguns instantes, deixe o restante do mundo de lado e aprecie o milagre diário.

Criando vínculos com o seu bebê

A importância do toque. Esta declaração merece ser repetida: pegar e segurar o seu bebê no colo não vai mimá-lo. A importância do toque para um bebê não pode ser superestimada, um fato que agora é reconhecido como parte do processo de vínculo encorajado pelos médicos. O vínculo com o bebê parece se estreitar muito quando os pais têm um contato físico prolongado com o bebê imediatamente após o nascimento. Dizem que as mães que foram separadas de seus filhos durante as duas primeiras semanas após o nascimento são, de alguma maneira, menos confiantes sobre suas habilidades maternas intuitivas do que aquelas que passaram pelo processo de vínculo.

A pele do bebê é o  órgão sensorial mais desenvolvido imediatamente depois do nascimento, e o maior órgão do corpo. Sua estimulação pode ter um efeito profundo no comportamento do bebê. O seu toque gentil, confiante e firme acalmará seu bebê, assim como o fará se sentir seguro do seu amor.

Vínculo através da alimentação. Alimentar o bebê, seja com mamadeira ou no peito, requer bastante tempo e energia. Mas seja qual for o método escolhido, você descobrirá que a hora da alimentação é uma hora de intimidade. Você está dando ao bebê a nutrição vital e satisfazendo a necessidade física mais básica da criança. Ao mesmo tempo, você está suprindo uma profunda necessidade psicológica de amor e atenção. Enquanto você o alimenta, segura e embala, ele está se acostumando com o seu toque e a sua voz. Uma ligação que nunca será abalada está se desenvolvendo entre você e o seu bebê.


Você sabe que é responsável por fornecer comida, roupas e abrigo ao seu bebê. Você leu a importância de criar o vínculo com o seu bebê enquanto ele cria confiança em você para suprir suas necessidades.

Na próxima página, falaremos sobre algumas das tarefas mais específicas que você enfrentará, como segurar, trocar fraldas e vestir o seu bebê.

/>