Condições que afetam os olhos temporariamente

Autor: 
Donald Patten, M.D.

Às vezes, nem os melhores esforços preventivos conseguem interromper um problema que está surgindo. A seguir, alguns dos problemas oculares mais comuns, como identificá-los, como lidar com eles e como impedir que voltem.

Blefarite

A blefarite é uma inflamação das margens das pálpebras, que causa vermelhidão e espessamento. Podem também aparecer escamas, crostas ou úlceras rasas (áreas de erosão). A doença é comum, especialmente em crianças, e com freqüência afeta as pálpebras superiores e inferiores dos dois olhos. Há dois tipos: ulcerosas e não ulcerosas. A infecção dos folículos dos cílios e glândulas oleosas causa a blefarite ulcerosa. A variedade não ulcerosa, que é mais comum, pode ser causada por uma alergia ou dermatite seborréica, que é uma descamação inflamatória do couro cabeludo, sobrancelhas e orelhas. Piolhos também podem às vezes causar o tipo não ulceroso.

Uma alergia à maquiagem pode causar blefarite.
2006 Publications International, Ltd.
Uma alergia à maquiagem
pode causar blefarite

Os sintomas de blefarite incluem:

  • coceira, queimação, olhos com as bordas vermelhas
  • pálpebras inchadas
  • perda de sobrancelhas
  • irritação da parte interna da pálpebra (como se houvesse areia ou sujeira por dentro)

Os olhos podem lacrimejar e ficar sensíveis à luz. Na blefarite ulcerosa, as crostas duras e secas que se formam deixam a superfície sangrando quando são removidas. Na blefarite não ulcerosa, aparecem escamas gordurosas que são facilmente removidas nas margens das pálpebras.

A limpeza meticulosa pode ajudar a prevenir essa doença. O tratamento imediato é também crítico. Se a blefarite se instalar devido a uma infecção, o tratamento poderá ser um antibiótico. Se a causa for uma alergia (à maquiagem para os olhos por exemplo), o uso da substância que está causando o problema deve ser interrompido. Se houver descamação das sobrancelhas e couro cabeludo, o médico pode recomendar um xampu ou creme para passar no local. A blefarite causada por piolhos pode também ser tratada pelo médico.

Um passo que você pode dar em conjunto com os outros tratamentos mencionados, é limpar a área com uma solução feita a partir de um xampu neutro para bebês. Dissolva uma pequena quantidade do xampu na água e use-o para limpar as pálpebras com um cotonete.

Pode ser difícil se livrar de todos os tipos de blefarite, e ela é com freqüência é recorrente. Felizmente a variedade não ulcerosa não causa danos permanentes, mas o tipo ulceroso, quando ocorre freqüentemente, pode causar cicatrizes nas pálpebras, perda de sobrancelhas e mesmo úlceras na córnea.

Conjuntivite

A conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, a membrana delicada que reveste a superfície interna da pálpebra e cobre a superfície exposta do olho. As crianças são mais afetadas que os adultos.

As causas comuns da conjuntivite são bactérias e vírus. Alergias, substâncias químicas, poeira, fumaça, exposição ao cloro das piscinas e objetos estranhos que irritam a conjuntiva podem também levar a essa condição. Ocasionalmente, uma doença sexualmente transmissível pode causar conjuntivite.

Bebês e conjuntivite
Normalmente são colocadas gotas de antibióticos nos olhos de recém-nascidos logo após o parto, para prevenir o desenvolvimento de uma conjuntivite que possa danificar gravemente seus olhos. A conjuntivite geralmente não é uma doença séria e pode ou não exigir cuidados médicos. Mas há uma exceção importante: sempre que a conjuntivite aparecer em um recém-nascido, deve-se buscar tratamento imediatamente. A visão do bebê pode estar em risco.

Os sintomas da conjuntivite incluem:

  • olhos vermelhos
  • uma sensação de aspereza
  • queimação
  • coceira
  • sensibilidade à luz

Às vezes os olhos ficam lacrimejantes ou com pus. Os sintomas podem durar alguns dias ou mesmo algumas semanas. Geralmente, a conjuntivite não produz danos permanentes, mas se não for tratada a infecção pode causar problemas mais sérios nos olhos, como úlceras na córnea, prejudicando a visão.

O tratamento depende da causa do problema. Se for ambiental, por exemplo, remover o objeto irritante pode ser suficiente. Para casos provocados por infecção bacteriana, um médico podem prescrever um medicamento. Se for uma conjuntivite viral, que pode vir acompanhada de dor de garganta ou coriza, geralmente vai sarar sozinha dentro de duas semanas.

Ao lidar com uma conjuntivite, é de grande ajuda proteger os olhos de luzes intensas e fumaça. As pálpebras podem ser lavadas com água morna, para retirar o pus. Para aliviar o olho inflamado, aplique uma compressa fria.

Algumas formas infecciosas de conjuntivite são altamente contagiosas. Assim, indivíduos que estejam com ela não devem compartilhar toalhas e lenços com outras pessoas. Se apenas um olho estiver com conjuntivite, tenha o cuidado de não passar para o outro. Se você tocar o olho infectado, lave suas mãos com água e sabão. Na verdade, como tocar os olhos é geralmente um movimento inconsciente, você deve lavar as mãos com freqüência durante o curso do problema, achando que colocou a mão no olho ou não. É particularmente importante que pacientes que trabalham com crianças ou com pessoas doentes fiquem longe do trabalho até que a condição se resolva.

Descolamento de retina

Normalmente, a retina fica firmemente presa à coróide, uma camada subjacente de tecido que é rica em vasos sangüíneos. Se acumular uma determinada quantidade de sangue ou outros fluidos entre a retina e a coróide, a retina pode ficar parcialmente ou totalmente descolada.

Os sintomas iniciais de um descolamento de retina incluem ver pontos escuros ou traços de luz flutuando e um embaçamento da visão. Isso pode ocorrer subitamente ou gradualmente. À medida que a condição progride, uma cortina ou véu parecem cair sobre parte ou todo o campo de visão. Para proteger sua visão, você deve buscar atendimento médico imediatamente caso estes sintomas se desenvolvam.

Cirurgia de catarata, miopia grave e traumas, podem causar descolamento de retina. As condições que aumentam a susceptibilidade para esse problema são inflamações ou tumores nos olhos, pressão arterial elevada e hemorragia (sangramento) dentro do olho.

Os procedimentos de tratamento incluem, entre outros, fusão a laser e cirurgia. Se não for tratado, o descolamento pode piorar e por fim levar a cegueira.

Olhos secos

Quando seus olhos não lacrimejam apropriadamente, podem causar uma dor aguda, queimação e coceira. Estes são os sintomas de olhos secos, uma condição mais comum em mulheres após a menopausa. Medicamentos contra a ansiedade e remédios para dormir, anti-histamínicos, descongestionantes e alguns medicamentos para artrite e pressão alta podem também causar ou piorar os olhos secos. Às vezes, uma reação alérgica aos colírios ou uma infecção que bloqueie os dutos lacrimais podem resultar em olhos secos, ou podem, em casos raros, ser o resultado da síndrome de Sjögren, um distúrbio crônico do tecido conjuntivo. Olhos secos com freqüência acompanham a blefarite.

Noções básicas sobre os colírios
Colírios que diminuem a vermelhidão não devem ser usados para olhos cansados. O uso excessivo de colírios não vai ajudar muito a vermelhidão, já que as gotas removem o vermelho fazendo a constrição dos vasos sangüíneos dos olhos. O uso repetido leva a um efeito rebote e torna os olhos mais vermelhos com o tempo.

Por outro lado, se você sabe que está sofrendo de olhos secos, uma gota ou duas de um lubrificante para os olhos que é vendido sem prescrição, normalmente chamado de lágrimas artificiais, pode dar alívio.

Procure seu médico para ter um diagnóstico. Os preparados de lágrimas artificiais podem ajudar a aliviar os sintomas. Evite colírios vendidos sem prescrição que contenham vasoconstritores; estes podem deixar os olhos ainda mais secos. Outros passos:

  • evite cigarro e outros agentes irritantes do ar
  • cuidado com o secador de cabelos para que o vento não atinja seus olhos
  • use óculos para proteger seus olhos do vento
  • use óculos de proteção quando for nadar
  • mantenha a umidade relativa da sua casa e escritório entre 30 e 50%

Olhos vermelhos

Olhos vermelhos podem significar uma variedade de problemas, desde falta de sono ou uma condição médica simples até uma enfermidade importante que esteja ameaçando sua visão. Se a falta de sono não for o problema, seus olhos vermelhos podem indicar:

  • um pequeno problema que vai curar sozinho, tal como uma ruptura de pequenos vasos sangüíneos da conjuntiva, possivelmente devido a uma tosse ou espirro forte
  • uma reação alérgica
  • uma infecção bacteriana ou viral da conjuntiva
  • o surgimento de um terçol
  • irite, uma inflamação da úvea, a camada do olho que inclui a íris (a irite pode requerer tratamento com remédios)
  • um trauma, tal como um objeto estranho dentro do olho, o que pode requerer primeiros socorros e possível atenção médica profissional

Para se livrar da vermelhidão, você pode usar um colírio descongestionante à venda sem receita médica. Mas não use em excesso. O melhor antes de usar colírio é conversar com seu médico para ter certeza que os olhos vermelhos não são sintoma de alguma coisa grave.

Sempre que tiver olhos vermelhos junto com dor, saída significativa de pus ou sensibilidade intensa à luz, visite seu médico. Estes sintomas podem indicar uma inflamação dentro do olho, uma úlcera ou mesmo glaucoma.

Você jamais deve esfregar os olhos se estiverem irritados. Se houver um objeto estranho dentro do seu olho, você poderá comprometer seriamente sua visão.

Degeneração macular

A degeneração macular é a causa líder de perda de visão central entre pessoas com mais de 60 anos.
2006 Publications International, Ltd.
A degeneração macular é a causa
líder de perda da visão central entre
pessoas com mais de 60 anos

Nessa condição ocorre deterioração da mácula, a pequena parte central da retina. Esta deterioração leva ao escurecimento da visão central, enquanto a visão periférica permanece intacta. A degeneração macular é a causa líder de perda da visão central entre pessoas com mais de 60 anos. Ela geralmente não leva à cegueira completa, mas restringe gravemente as atividades que dependem da visão central, como ler e dirigir. Os fatores de risco para a degeneração macular incluem cigarro, idade e histórico familiar de degeneração macular.

Há dois tipos de degeneração macular: degeneração macular seca e úmida. A degeneração macular úmida é o tipo mais grave e causa a maior parte da perda de visão, mas é responsável por somente 10% de todos os casos de degeneração macular. A degeneração macular seca é mais comum, ocorrendo em 90% de todos os casos, e tende a progredir mais lentamente. Em todos os casos, a perda de visão é progressiva, mas a taxa de progressão varia com o tipo e estágio da degeneração macular. Há muitas opções novas de tratamento que podem tornar mais lenta a progressão, embora não curem a doença. Se você foi diagnosticado em um estágio inicial da doença, converse com seu médico sobre tomar altas doses de vitaminas A, C e E e zinco. Tem sido comprovado que isso ajuda a retardar a progressão da doença. Os fumantes, contudo, não devem tomar fórmulas que contenham betacaroteno, já que isso aumenta o risco de câncer de pulmão. Estágios mais avançados de degeneração macular podem ser tratados com diferentes tipos de terapia a laser ou com injeções de um remédio diretamente dentro do olho que interfere no mecanismo que causa a doença.

Cegueira noturna

Uma pessoa com cegueira noturna pode ver bem com boa luminosidade, porém não no crepúsculo ou com luz fraca. As causas da cegueira noturna incluem deficiência grave de vitamina A ou um distúrbio degenerativo hereditário da retina chamado de retinite pigmentosa. No caso de deficiência grave de vitamina A, o tratamento pode ser a administração de vitamina A. O atendimento médico é crucial para certificar-se que a cegueira noturna é realmente o problema e que as doses de vitamina são seguras.

Retinite

A inflamação da retina, ou retinite, pode ter várias causas, desde condições hereditárias até infecções, Diferentes formas têm muitos sintomas em comum:

  • cegueira noturna
  • inflamação da retina
  • visão afunilada
  • perda do senso de movimento corporal

Os tratamentos variam tanto quanto as causas. Qualquer pessoa que tenha um destes sintomas deve sempre consultar um profissional especialista em olhos.

Terçol

Embora tenha apenas o tamanho de uma pústula, um terçol pode ser extremamente incômodo e doloroso. Este edema inflamado ou infectado pode ser resultado de um folículo infectado (os canais por onde brotam os pêlos), ou pode ser devido a uma glândula bloqueada na pálpebra. Os terçóis estão às vezes, mas nem sempre, relacionados à blefarite.

Inicialmente, um terçol parece um objeto estranho dentro do olho. Vêm então as lágrimas, vermelhidão, edema e sensibilidade. O olho pode ficar sensível à luz e ao toque, e pode formar pus dentro da pústula que parece uma inchação e que pode estourar.

O terçol vai embora sozinho, embora você precise conviver com ele por uma semana ou mais. A aplicação de compressas úmidas mornas, várias vezes por dia, pode encorajar o terçol a estourar e então começar a sarar. Contudo, NÃO esprema um terçol. Você corre o risco de deixá-lo muito pior. Se o terçol não melhorar, procure seu médico. Pode ser necessário um ungüento antibiótico ou, raramente, a remoção cirúrgica.

Nossos olhos são aparatos extremamente complexos, ainda que delicados. Como são parte vital do modo como interagimos com o mundo, não merecem o melhor cuidado possível?

Publications International, Ltd.

Este artigo tem finalidade apenas informativa. ELE NÃO FORNECE ORIENTAÇÕES MÉDICAS. Tanto o editor do Consumer Guide ®, da Publications International, Ltd., quanto o autor e o divulgador não se responsabilizam por nenhuma possível conseqüência dos tratamentos, procedimentos, exercícios, modificações de dieta, ação ou aplicação de medicação que resultem da leitura ou utilização das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui prática da medicina e não substitui as orientações de seu médico ou outro profissional da saúde. Antes de iniciar qualquer tratamento, o leitor deve procurar o conselho do seu médico ou de outro profissional de saúde.