Como fazer uma criança parar de chupar o dedo

Nos recém-nascidos, a sucção é uma reação instintiva. Quase todos os bebês chupam dedo. Chupar o dedo era bonitinho quando seu filho era um neném, mas agora que ele cresceu, você está começando a se preocupar com o fato de ele estar sempre com o dedo na boca.

Você não é o único: os pediatras estimam que cerca de 18% das crianças entre os 2 e 6 anos chupam o dedo. Por que elas começam a fazer isso? Várias explicações foram sugeridas, mas a maioria dos especialistas concorda que chupar o dedo acalma e conforta a criança.

Cerca de 18% das crianças entre os dois e os seis anos de idade chupam o dedo.
2006 Publications International, Ltd.
Cerca de 18% das crianças entre os 2
e os 6 anos chupam o dedo

Os pediatras observaram que o fenômeno é muito comum na cultura ocidental, em sociedades em que as crianças, desde muito cedo, ficam muito tempo separadas fisicamente de suas mães. Chupar o dedo não é tão comum em culturas onde as mães costumam ficar com seus bebês por períodos mais longos ou mantêm contato físico constante durante os primeiros anos de vida.

A maioria dos especialistas aconselha os pais a não tentar interromper esse mau hábito da criança antes que ela demonstre que está pronta para parar. Se o seu filho já chegou a esse ponto, siga as dicas deste artigo.

Deixe a criança decidir que isso é um problema - os pediatras costumam dizer que a melhor maneira de fazer uma criança a continuar chupando o dedo é mandá-la parar. Uma estratégia melhor é esperar até que ela encontre um incentivo para interromper esse comportamento, como sofrer com brincadeiras na escola porque chupa o dedo. Deixe que ela tome a iciciativa de tocar no assunto. Os especialistas dizem que tratar do assunto quando a criança está pronta aumenta as probabilidades de se obter sucesso e forçá-la a parar não irá convencê-la a fazer isso.

Utilize um sistema de recompensas - os pediatras às vezes recomendam fazer um sistema de recompensas para ajudar as crianças a parar com esse hábito. Compre um calendário e coloque-o na geladeira. Marque cada dia que ela chupou o dedo e cada dia em que não fez isso. Estipule um prazo para a premiação (um mês por exemplo). Ao final do prazo combinado, ofereça uma pequena recompensa (como um brinquedo ou um jantar no restaurante favorito delas) se a quantidade de dias que ficou sem chupar o dedo foi maior que os dias em que fez isso.

Ofereça para a criança a opção de chupar o dedo em particular - considere que sua tentativa surtiu efeito se ela parar de chupar o dedo na sua frente ou em público. Não se preocupe, geralmente o tempo em que a criança fica chupando o dedo é relativamente curto. 

Nunca use reforço negativo - se a criança tiver deslizes, pode ser desestimulante usar um reforço negativo. Após reprimir o gesto, dê a seu filho um reforço positivo na forma de abraço e inicie uma atividade que o distraia

Comece com o mais fácil e depois siga em frente - primeiro, sugira que a criança pare de chupar o dedo em público ou em algum outro momento no qual ela tem uma probabilidade maior de cumprir com o combinado. Depois, inclua os momentos em que o hábito está mais arraigado, como na hora de dormir. Experimente duplicar as recompensas se a criança não chupar o dedo durante os momentos mais difíceis.

Não grite - mesmo que esteja muito frustrado quando seu filho colocar o dedo de volta na boca, não castigue, nem grite com ele. Isso só vai deixá-lo mais nervoso e aborrecido, o que provavelmente vai fazê-lo chupar o dedo mais ainda.

Espere - sabe o que acontece com a maioria das crianças que chupam o dedo aos quatro, 5 ou até aos 6 anos? Elas param. Os pais costumam perceber que o hábito vai ficando menos freqüente a cada ano que passa ou talvez elas só chupem o dedo em momentos específicos, como quando estão cansadas ou assistindo TV. Os pediatras dizem que muitas crianças geralmente param de chupar o dedo aos 6 ou 7 anos devido à pressão dos coleguinhas. A zombaria dos amigos e colegas de escola faz ficarem com tanta vergonha acabam parando de vez.

Esse hábito pode ser sinal de um problema mais sério?  Leia a próxima seção para descobrir.


Essas informações são apenas para fins de conhecimento. E NÃO DEVEM SER LEVADAS EM CONSIDERAÇÃO COMO CONSELHOS MÉDICOS. Nem os Editores do Consumer Guide (R), Publications International, Ltd., o autor ou a editora assumem responsabilidade por quaisquer conseqüências decorrentes de qualquer tratamento, procedimento, exercícios, alterações de dieta, ação ou aplicação de medicamentos utilizados após ler ou seguir as informações contidas neste artigo. A publicação destas informações não constitui a prática de medicina, e não substituem o conselho de seu médico ou outro profissional da saúde. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar o aconselhamento de seu médico ou outro profissional da saúde responsável.