Controles remotos infravermelhos: o processo

Autor: 
Julia Layton

Apertar um botão de um controle remoto coloca em movimento uma série de eventos que faz com que o aparelho controlado realize um comando. O processo funciona mais ou menos assim:

  1. Você aperta o botão “aumentar volume” em seu controle remoto, fazendo com que esse botão toque o contato sob ele, fechando o circuito “aumentar volume” na placa de circuitos. O circuito integrado detecta isso.
  2. circuito integrado envia o comando binário "aumentar volume" ao LED na frente do controle remoto.
  3. LED envia uma série de pulsos de luz que correspondem ao comando binário "aumentar volume".

Um exemplo de código de controle remoto é o protocolo Sony Control-S, usado pelas TVs Sony e inclui os seguintes comandos binários de 7 bits:

Botão
Código
1
000 0000
2
000 0001
3
000 0010
4
000 0011
Subir canal
001 0000
Descer canal
001 0001
Ligar
001 0101
Desligar
010 1111
Aumentar volume
001 0010
Baixar volume
001 0011
Fonte: ARRLWeb

Entretanto, o sinal do controle remoto inclui mais do que o comando "aumentar volume". Ele leva vários blocos de informação ao aparelho receptor, incluindo:

  • um comando “iniciar”
  • o código de comando para "aumentar volume"
  • o endereço do aparelho (para que a TV saiba que a informação é destinada a ela)
  • um comando “parar” (disparado quando se libera o botão de "aumentar volume")

Então quando você pressiona o botão "aumentar volume" num controle remoto de uma TV Sony, ele envia uma série de pulsos que se parecem com isso:



Os controles remotos das TVs Sony usam um método de codificação de espaços em que o comprimento dos espaços entre os pulsos de luz representam 1 ou 0

Quando o receptor infravermelho na TV capta o sinal do controle remoto e verifica no código recebido se o sinal se destina a essa TV, ele converte os pulsos de luz de volta em sinal elétrico para 001 0010. Depois, ele passa o sinal ao microprocessador, que aumenta o volume. O comando “parar” avisa o microprocessador que ele pode parar de aumentar o volume.

Os controles remotos infravermelhos já estão no mercado há 25 anos. Mas, apesar disso, têm algumas limitações relacionadas à natureza da luz infravermelha. Primeiro, eles têm um alcance de apenas 10 metros e exigem linha de visada. Isso significa que sinais infravermelhos não são transmitidos através de paredes nem fazem curvas - é preciso uma linha reta até o aparelho que se está tentando controlar. Além disso, a luz infravermelha é tão comum que as interferências podem ser um problema com controles remotos IR.

Veja algumas fontes de luz infravermelha usadas diariamente:

Para evitar interferências causadas por outras fontes de luz infravermelha, o receptor infravermelho em uma TV responde a apenas um comprimento de onda particular de luz infravermelha, normalmente 980 nanômetros. Há filtros no receptor que bloqueiam a luz de outros comprimentos de onda. Além disso, a luz do sol pode confundir o receptor porque possui luz infravermelha no comprimento de onda de 980 nm. Para solucionar esta questão, geralmente, a luz de um controle remoto IR é modulada a uma freqüência não presente na luz do sol e o receptor apenas responde à luz modulada a 980 nm nessa freqüência. O sistema não funciona com perfeição, mas diminui muito as interferências.

Ainda que os controles remotos infravermelhos representam a tecnologia dominante em aplicações de home theater, há outro nicho específico em controles remotos que funcionam com ondas de rádio em vez de ondas de luz. Se você abrir sua garagem com controle remoto, por exemplo, tem um controle remoto RF.