Aplicativos de terceiros do Facebook

Autor: 
Jonathan Strickland

Para criar aplicativos no Facebook, primeiro você tem que adicionar o desenvolvedor de aplicativos do Facebook ao seu perfil. Você também deve ter acesso a um servidor onde possa armazenar o aplicativo - o Facebook não hospeda programas de terceiros. Os aplicativos podem ser hospedados na web, em um desktop ou em um dispositivo móvel. Em outras palavras, você pode criar aplicativos que tirem vantagem da plataforma do Facebook, mas não são incorporados aos perfis dos membros. Por exemplo, é possível programar um aplicativo que cria uma janela no seu desktop ligada ao feed de notícias do seu perfil.

Perfil e aplicativo de terceiros do Facebook
Imagem cedida por Facebook
Os membros do Facebook podem escolher usar aplicativos de terceiros como esse recurso de mapa para aprimorar seus perfis

O Facebook diz que a sua interface de programação de aplicativos (API) é baseada na interface Transferência de Estado Representacional (REST), um termo cunhado por Roy Fielding em sua dissertação de doutorado na Universidade da Califórnia, Irvine. Em uma rede REST, a forma segue a função. A rede REST máxima de Fielding era uma versão idealizada da rede mundial de computadores que tinha componentes independentes que trabalhavam juntos para maximizar a eficiência da transferência de dados [Fonte: Fielding].

Em termos da API do Facebook, uma interface REST significa que os aplicativos conectados ao Facebook enviam chamadas de método usando Hypertext Transfer Protocol (HTTP) GET ou pedidos POST. HTTP é um protocolo de comunicações usado pela rede mundial de computadores - o pedido GET retém a informação e o pedido POST acrescenta informação a uma página web existente. Isso significa que os aplicativos do Facebook retêm informação dos perfis dos membros, postam mensagens em perfis ou ambos.

Os desenvolvedores também podem usar o Facebook Query Language (FQL), que é semelhante ao Structured Query Language (SQL). Query languages são linguagens de programação projetadas para reter informação de bases de dados. Com FQL, um desenvolvedor pode obter informação sobre qualquer usuário que baixe o seu aplicativo. De certa forma, é disso que realmente os aplicativos do Facebook tratam - coletar informação sobre usuários. Os desenvolvedores podem usar essa informação como uma forma de criar públicos alvo para propaganda ou construir uma base de consumidores para um produto em particular. O Facebook tem sido criticado pelas pessoas que acreditam que o site permite aos desenvolvedores de aplicativos coletar dados dos membros, incluindo informação pessoal e hábitos de navegação na web.

Para os desenvolvedores que querem criar aplicativos que se integram profundamente na plataforma do Facebook, existe a Facebook Markup Language (FBML). O Facebook derivou a linguagem do HTML e acrescentou algumas tags específicas do site. Usando essa linguagem, os desenvolvedores podem criar aplicativos que se tornam parte mais integrante da experiência do usuário do Facebook, afetando a aparência e a função do perfil.

Candidate-se

Em setembro de 2007, o Facebook anunciou uma nova iniciativa chamada fbFund, um programa de auxílio para encorajar o desenvolvimento de aplicativos de terceiros. Os desenvolvedores que não receberam qualquer outro financiamento formal por seus aplicativos podem se candidatar a um auxílio variando de US$ 25 mil a US$ 250 mil para construirem suas empresas na plataforma Facebook [fonte: Facebook press release].

Todo aplicativo tem um espaço no Facebook chamado de página canvas, que desenvolvedores podem usar como quiserem. Quando um usuário clica no ícone de um aplicativo, o seu navegador vai para a página canvas do aplicativo. Os desenvolvedores podem incluir propaganda nas páginas canvas, vender produtos usando uma interface projetada pelo Facebook ou simplesmente compartilhar informação com o usuário.

Na próxima seção, nós veremos como você pode acessar o Facebook através de um dispositivo móvel como um telefone celular.