Como funciona o Android (Google Phone)

Autor: 
Jonathan Strickland

Em 2007, começaram a circular rumores de que o Google iria lançar um smartphone para competir com o iPhone da Apple. A informação correu desenfreada - o Google conseguiria entrar no negócio de hardware? A companhia contaria com os consagrados fabricantes de hardware para telefone celulares? O Google simplesmente se concentraria na construção de aplicações para smartphones para outros dispositivos como o iPhone?

TMobile G1, primeiro celular com Android
TMobile / Divulgação
TMobile G1, primeiro celular com Android

 

Executivos do Google diziam que a companhia não estava interessada em construir hardware. Mas alguns jornalista sda Web e blogueiros ainda não estavam convencidos. No começo de 2008, ficou claro que os executivos do Google tinham sido francos o tempo todo - o Google não estava entrando no jogo de handsets. Mas, sim, no negócio de software para handset com o sistema operacional móvel chamado Android.

Ao contrário do iPhone, que tem seu próprio sistema operacional exclusivo para o hardware do iPhone, a abordagem do Google foi criar um sistema operacional que poderia funcionar em telefones feitos por diferentes fabricantes. E mais: nenhum provedor de serviço único teria direitos exclusivos de usar a plataforma Android. Em relação a isso, o Android se junta a outros sistemas operacionais móveis, como o Symbian e o Windows Mobile.

O primeiro telefone Google foi o G1, um handset fabricado por uma empresa baseada em Taiwan chamada High Tech Computer Corporation (HTC). O primeiro provedor de serviço a suportar o Android nos EUA foi a T-Mobile. Como o sistema operacional estreou nos Estados Unidos, outros fabricantes de handset anunciaram planos para desenvolver seus próprios telefones com Android.

Um fator importante que posiciona o Android distante da maioria dos sistemas operacionais móveis é que ele está baseado em uma plataforma de código aberto. Isso significa que o Google permite a qualquer um olhar e modificar a maior parte do código fonte do Android. Idealmente, isso significaria que se um desenvolvedor sentisse que o Android precisasse de um recurso ou capacidade específica, ele ou ela poderia construi-la e incorporá-la ao sistema operacional. O software evoluiria constantemente.

Inicialmente, a plataforma Android não suportava muitos dos recursos dos outros sistemas operacionais para smartphones. Por exemplo, o Android não oferecia suporte ao Microsoft Exchange. Muitas companhias usam o Microsoft Exchange como plataforma de e-mail e aplicações de agenda. Mas por causa da natureza open source do Android e do suporte do Google a desenvolvedores terceiros, não demorou muito tempo para a companhia oferecer uma aplicação que sincronizasse as funções do Exchange com o telefone. A plataforma Android pode ter de correr atrás dos outros sistemas operacionais do mercado, mas ela tem a capacidade de ir muito mais além.

Na próxima página, vamos apresentar o HTC G1, o primeiro telefone a ter o Android como sistema operacional.