Como funciona o Google

Autor: 
Jonathan Strickland

O que começou como um projeto liderado por Larry Page e Sergey Brin, dois estudantes do programa de Ph.D. de Stanford, é agora uma das mais influentes companhias na World Wide Web: Google. No início, o objetivo dos estudantes era fazer uma ferramenta de busca eficiente, que desse aos usuários links relevantes em resposta aos pedidos de busca. Apesar desse continuar sendo o principal objetivo do Google hoje, a companhia oferece serviços que vão de e-mail a armazenamento de documentos. Em menos de uma década, o Google evoluiu de uma empresa de dois homens para uma corporação multibilionária.

Pessoas utilizando o Google
Torsten Silz/AFP/Getty Images
Visitantes de feira usam laptops no stand do Google na Frankfurt Book Fair, em outubro de 2006

Hoje, a popularidade do Google continua crescendo. Em 2007, o Google ultrapassou a Microsoft como o site mais visitado da Web [fonte: San Francisco Chronicle (em inglês)]. A influência da companhia na Internet é inegável. Todo webmaster quer ter o seu site listado no topo das páginas de resultados do Google (SERPs - search engine results pages), pois isso quase sempre resulta no aumento do tráfego no respectivo site. O Google também comprou outras companhias de Internet, que variam entre serviços de blogs ao site de compartilhamento de vídeos YouTube. Por um tempo, a tecnologia de busca do Google serviu até para potencializar os sites de buscas concorrentes - o Yahoo utilizou as buscas do Google até desenvolver sua própria tecnologia em 2004 [fonte: cNet (em inglês)].

Quantos zeros?

O nome do Google é uma variação da palavra "gugol", um termo matemático para o número 1 seguido de 100 zeros. Page e Brin acharam que o nome ajudaria a ilustrar a missão monumental do Google: organizar bilhões de bytes de informação encontrados na Web.

A influência do Google não é restrita apenas à Web. Em 2007, os executivos do Google anunciaram suas intenções de participar do leilão da banda sem-fio de 700 megaherts, promovido pela FCC (Federal Communications Commission - Comissão Federal de Comunicações). Essa faixa do espectro sem-fio pertencia anteriormente às difusoras analógicas de televisão. O Google entrou no leilão com o intuito de aumentar a competição na indústria de serviços wireless. O Google apoiou uma abordagem de tecnologia aberta para o serviço wireless, na qual os consumidores podem utilizar qualquer dispositivo com qualquer provedor em vez de enfrentar escolhas limitadas, determinadas pelos provedores e seus fornecedores preferenciais. Para entrar no leilão, o Google teve que provar que já está pronto para cobrir o preço de reserva para o espectro: US$ 4,6 bilhões.

Neste artigo conheceremos a espinha dorsal dos negócios do Google: sua ferramenta de busca. Também veremos os outros serviços que o Google oferece tanto para os usuários em geral quanto para os de negócios comerciais. Daremos uma rápida olhada nas ferramentas que o Google desenvolveu nos últimos anos e também aprenderemos mais sobre os equipamentos que o Google usa para manter suas enormes operações funcionando. Finalmente, veremos com mais detalhes a companhia Google.

Na próxima seção, exploraremos a ferramenta de busca do Google.

Influência do Google

O interesse do Google no espectro de 700 megahertz (Mhz) ajudou a alimentar os boatos de que a companhia estaria planejando entrar no mercado de telefones celulares. Rumores sobre um Google Phone (o Gphone), feito sob encomenda, espalhou-se pelos blogs de tecnologia e equipamentos na Internet. Andy Rubin, o diretor de Plataformas Móveis do Google, ainda não se pronunciou sobre os planos do Gphone. No entanto, ele revelou que o Google estava por trás de uma plataforma de softwares para equipamentos portáteis chamada Android. O Android inclui um sistema operacional para smartphone, interface de usuário e aplicativos.