Como funciona a HDMI

Autor: 
Tracy Wilson

Se você adquiriu uma HDTV, um PlayStation 3 , um aparelho de HD-DVD ou Blu-ray, provavelmente já ouviu falar sobre HDMI. Ela pode apenas parecer uma de muitas conexões nas televisões ou receptores de home theater. A HDMI, porém, é mais que uma entrada na parte de trás de uma TV. Ela é um conjunto de regras que permite a comunicação de dispositivos eletrônicos de alta definição.

HDMI cable
Foto cedida HowStuffWorks Shopper
Um cabo HDMI

Antes do desenvolvimento das televisões de alta definição, a maioria das TVs exibia imagens em definição padrão. A imagem era grosseiramente quadrada: sua proporção de imagem era 4:3. Sua resolução, ou o número de pontos que compõem a imagem na tela, era de cerca de 704 x 480 pixels. A imagem era entrelaçada: cada pedaço da imagem em movimento era realmente metade de uma imagem, mas as imagens mudavam tão rapidamente que o cérebro humano, de fato, não notava. Finalmente, as TVs mais antigas contavam com sinais analógicos, que viajavam como uma corrente elétrica constantemente variável.

As HDTVs, por outro lado, são digitais. Elas usam as informações na forma de "uns" e zeros. Essas informações viajam através de cabos como pulsos elétricos distintos. As HDTVs têm uma proporção de imagem de 16:9; assim, a imagem é retangular. Elas também têm uma maior resolução: os padrões atuais de HDTV permitem resoluções de até 1920 x 1080 pixels. Os sinais da HDTV também podem ser progressivos, o que significa que cada quadro da imagem em movimento é uma imagem completa e não apenas metade.

NTSC vs. HD
O NTSC (definição de padrão) tem uma proporção de imagem de 4:3. A HDTV tem uma proporção de imagem mais larga do que 16:9.

Assim, comparadas às TVs padrão, as HDTVs têm uma tela mais larga, mais pixels e uma taxa de atualização mais rápida. Geralmente, as HDTVs podem exibir mais cores que os aparelhos mais antigos. Isso significa que as HDTVs precisam de mais dados, e precisam deles muito mais rapidamente do que as TVs com definição padrão. Se uma HDTV pode receber essas informações digitalmente, ela também não precisa gastar tempo ou energia de processamento convertendo o sinal de um formato analógico.

Isso nos leva à HDMI. Criado por um grupo de fabricantes de eletrônicos, o padrão HDMI é um conjunto de diretrizes para a criação de conexões de banda larga entre dispositivos digitais. Com a configuração certa, a HDMI pode fazer uma diferença significante em um sistema de home theater. O padrão atual pode transmitir sinais de alta definição de 1080p, e suporta oito canais de áudio não compactado, suficientes para um sistema surround-sound 7.1. A HDMI pode reduzir o número de cabos requeridos para conectar componentes, e pode ainda diminuir o número de controles remotos necessários para assistir a um filme.

Existe, porém, uma pegadinha. Para tirar vantagem de tudo que a HDMI tem a oferecer, todos os componentes de um home theater precisam ser compatíveis com ela. Alguns dos recursos que a HDMI ostenta, ainda não existem mo mercado consumidor. Além disso, existe um limite para o alcance de um cabo HDMI, alguns usuários reclamam que esse limite é muito curto para suportar configurações convenientes.

Neste artigo, veremos exatamente o que acontece dentro de um cabo HDMI, os recursos do padrão e suas ciladas. Também examinaremos se o mais novo padrão, o HDMI 1.3, realmente torna os padrões anteriores (que estiveram no mercado por somente alguns poucos anos) completamente obsoletos.