Como funciona o rádio digital via satélite

Autor: 
Kevin Bonsor

Todos nós temos nossas estações de rádio favoritas, aquelas que programamos no rádio do carro e pelas quais passeamos enquanto dirigimos para o trabalho ou quando damos uma volta pela cidade. Mas quando você viaja para longe da emissora de rádio, o sinal falha e vai sumindo até virar estática. A maioria dos sinais de rádio (em inglês) alcança apenas 48 a 65 quilômetros a partir da fonte. Em viagens longas, nas quais você passa por cidades diferentes, acaba trocando de estações a cada hora mais ou menos, conforme os sinais aparecem ou somem. E não é nada agradável ter que ficar buscando no meio da estática alguma coisa para ouvir.


Foto: cortesia da XM Satellite Radio
As emissoras de rádio digital prometem música sem ruído algum, transmitida por milhares de quilômetros de distância no espaço

Agora imagine uma estação de rádio que pode transmitir sinal de mais de 35 mil quilômetros de distância, que chega até o rádio do seu carro completamente limpo. Você poderia dirigir do Rio de Janeiro a São Paulo sem precisar trocar de rádio! Não somente você não escutaria estática interferindo nas suas estações preferidas, como a música seria interrompida por pouquíssimos ou nenhum intervalo comercial.

A XM Satellite Radio (em inglês) e a Sirius Satellite Radio (em inglês) , ambas dimensionais, já lançaram um serviço deste tipo. O rádio digital, também conhecido como rádio satélite, oferece música ininterrupta, próximo à qualidade de CD, dentro do seu rádio e vinda do espaço.

As montadoras já estão instalando, há alguns anos, receptores de rádio digital em alguns veículos, e muitos modelos de rádio digital portátil já são vendidos por fabricantes de eletrônicos. Neste artigo, você vai aprender a diferença entre rádio digital e rádio convencional e o que você precisa para sintonizar sinais de rádio digital.

 

No Brasil
A radio digital vai demorar no mínimo dois anos para ser implantada no país. O modelo nem sequer foi definido pelo Governo Federal, que estuda a tecnologia americana Iboc e o modelo DRM europeu. Sabe-se apenas que o rádio digital brasileiro será híbrido, porque nenhum dos modelos existentes no mundo atende às necessidades do país. "Vamos ter um sistema para AM e FM e outro para atender Ondas Curtas", disse o ministro das Comunicações Hélio Costa.

Costa diz ainda que a indústria produzirá um aparelho capaz de incorporar a tecnologia digital e a analógica, e que seus preços devem ficar entre R$ 60 e R$ 70. No momento, 16 emissoras de rádio realizam testes com a Iboc americana.